domingo, 15 de maio de 2016

Sozinho pelo mundo...

A grande decisão... Viajar só!

Para alguns parece algo assombroso, Totalmente improvável e digamos quase que impossível.
Entretanto essa é uma prática super comum para muitos, seja em uma viagem de negócios, para estudos, ou para conhecer algum destino. 
Tomar a iniciativa de arrumar as malas e partir sozinho, é uma decisão de coragem. Isso é fato!
É claro que compartilhar uma viagem seja com amigos, família, ou com quem se ama é bom demais! Faz com que as descobertas sejam coletivas e te coloca na zona de conforto, mesmo estando em um lugar novo. Mas viajar sozinho tem um ingrediente mágico, que te leva a ver o mundo e você mesmo com outros olhos. 
Você começa a caminhar no imprevisível e fica mais sensível as surpresas da viagem, que são muitas. Em um primeiro instante pode parecer um bicho de 7 cabeças, mas com o tempo você percebe o quanto é necessário esse momento pra você, pra sua vida! Para perceber o que deixou para trás e o que conquistou pelo caminho.
Meu primeiro momento sozinha foi em Quito/Equador, confesso que bateu muito medo e tinha hora que sentia falta de ter alguém próximo da minha vida para compartilhar tamanhas descobertas. Mas com o tempo você percebe que não precisa de ninguém além de você mesmo. Inicia-se um processo de desprendimento de preconceitos, de verdades e de coisas. Começa a viajar com pouco e se torna parte do contexto ao qual visita. 
Como diz a frase do nosso escritor predileto Airton Ortiz...
"Somos resultado dos livros que lemos, das viagens que conhecemos e das pessoas que amamos."

Se mesmo assim eu não conseguir te convencer que é muito bom viajar só, bem que tal ficar em lugar onde todos estão praticamente como você... "Na Pista", eihm? Que tal?
Ficar em Hostel é uma grande opção para quem tem receio de uma viagem em carreira solo. Pois ao optar por este tipo de hospedagem, você só fica sozinho se quiser. Se quiser mesmo! Não precisa ser "mochileiro" para usufruir dessa forma de acomodação. Através do HostelWorld você não só consegue ver e reservar seu quarto, como também ver relatos dos viajantes que estiveram por lá.
Outra dica bacana e mais econômica ainda é optar pelo couchsurfing, através dessa modalidade você se hospedará na casa de um local, convivendo com seu anfitrião e imergindo totalmente na cultura do lugar. 

Se mesmo assim, a dúvida ainda paira sobre suas ideias... Não sabe se arruma as malas e ganha o mundo sozinho? Que tal ver o relato do Marcondes Gomes?
video

E como viajar é compartilhar, abaixo alguns relatos de viajantes para inspirar a sua aventura.

"Jamás se viaja solo... Siempre esta la energía de las personas que uno lo quieren acompañando, uno se termina conociendo más su interior, lo que realmente quiere y por sobretodo la esencia real... Además, conoces gente si quieres... En resumen nunca se está solo..."
"Nunca se viaja sozinho... Sempre se carrega a energia das pessoas que querem a sua companhia, acaba-se conhecendo mais o seu interior, o que realmente quer e sobretudo sua real essência... Além disso, conhece pessoas se quiser... Em resumo nunca se está só..."
Cristián Flores Jaqui


"Porque viajar sozinho? Acho que um dos principais motivos para se viajar sozinho é pelo fato de você poder se conhecer, se encontrar. Já que estar em um local completamente novo é diferente, te tira de sua zona de conforto, e por estar sozinho, não sofrerá influências do que ou de quem você tem que ser. Por isso Viajar sozinho, além de te permitir fazer mais e ir mais longe, permite se conhecer, viver experiências únicas sem depender de ninguém além de você. Portanto, acho que a experiência de ficar sozinho e explorar novos lugares, alimenta seu espírito, enriquece a sua alma, te traz sensações que apenas essa experiência pode te oferecer."
Caio Schettino
E então se animou?
Bem pra inspirar lá vai a dica...
Alguns filmes para colocar como meta a possibilidade de cair no mundo sem levar ninguém a tira-colo.

Intro the Wild
O filme é baseado em uma história real, trata da vida do Christopher McCandless que ao terminar a faculdade resolve transcender do materialismo cotidiano para uma vida livre. Em sua jornada pelos Estados Unidos, ele segue em direção ao Alasca, onde deseja viver uma vida selvagem em contato com natureza pura. O que lhe acontece durante a viagem transforma o jovem em um símbolo de resistência para muitas pessoas.

The Way
"The Way" ou "O Caminho" em português, conta a história do médico Tom que viaja até St Jean Pied de Porte na França, após saber que seu filho Daniel morreu durante a peregrinação até Santiago de Compostela. No decorrer da trama o médico decide fazer o Caminho pelo seu filho. The Way é um filme pra ficar rondando os pensamentos e motivar qualquer um a arrumar a mochila e cair na estrada.

Então por falar em Caminho... Bem esse é nosso próximo tema ou seria projeto? Deixo a ideia no ar ou seria no horizonte? Hum... Hey Viajante, que tal arrumar a mochila e vir com a gente? ;)

"Buen Camino" 

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Nepal, muito além do Himalaia...

Resolvemos ir para Índia! Opa, mas a viagem não é para o Nepal? Sim, claro viajante! Mas o Nepal foi um desvio de percurso de uma viagem para Índia. A verdade é que a forma mais fácil de chegar ao Nepal é através de Nova Deli (capital indiana), com voos diretos de 1:30 h. de duração.
Muitas pesquisas rolaram, visitas à muitos blogs e afins. Mas minha decisão partiu de uma foto, sério! E não foi foto de monumento, patrimônio e ou parque natural... Foi a foto de um sorriso!
Conversando com meu professor de alemão sobre a minha "fabulosa" ideia de ir para a Terra de Buda, ele me perguntou com aquele sotaque meio sulista, meio gringo...
- Você já ouviu Katmandu, do Cat Stevens?
Hey! Como assim? Amo Cat Stevens, mas "never, never & never" escutei essa música.
E desde então, Katmandu virou meu hino, a música simplesmente é a tradução perfeita do sorriso da foto.
Então requisito para ler este post ----> colocar no set list o link abaixo 

Aterrissamos...
Sensação de dejavu, cena de filme oriental e real noção de estar... muito, muito, mas é muito longe de casa! 
Descrição da cena: 
Um aeroporto internacional de "tijolinhos", com dois andares, onde a escada rolante não existe, revista manual, casa de câmbio oficial embutindo notas "fakes" entre as "oficiais" e um táxi que deixa os da Terra de Fidel como último modelo de série... Rá! Mas admito amei tudo isso! 
Amarramos nossa bagagem em cima do táxi e seguimos para Thamel, o paraíso das compras e afins do Nepal... Se você é como eu, que adora um artigo oriental: Bolsas, roupas, quadros, esculturas, adereços, bijuterias, incensos, velas... Pre -pa -ra pra ser feliz! Tudo tão barato, mas tão barato... que chegamos a ficar constrangidos com o valor de peças feitas à mão com tanta criatividade e carinho, e que são vendidas a preço de bala de menta.



Thamel é aquele lugar para você andar, andar, andar... comer muita "comidinha de rua", entrar em um Templo, em outro, esbarrar no Buda, pedi licença ao rapaz do TukTuk e não ver a hora passar, realmente a hora não passa em Katmandu, ela parou no tempo e no espaço.
Ficamos hospedados no Royal Penguin Boutique no "centrão" de Thamel. Super recomendamos o hotel, além de uma decoração super exótica, eles são super carinhosos (colocaram uma bandeirinha do Brasil no nosso quarto - own fofos), a comida muito saborosa e possibilita acesso à vários passeios aos arredores da cidade.

Contratamos um Guia Local que falava português e nos levou para conhecer bem toda a região do Vale de Katmandu. Tivemos experiências maravilhosas no Nepal, conhecemos povoados fora do eixo turístico como Pokhara e Bungamati.



Tratamos todos os passeios via e-mail e tudo deu super certo. 
Fica a dica:

O povo nepalês tem aquela alegria que salta aos olhos, são felizes! São felizes no cotidiano, uma energia do bem que saí pelos poros e que contagia a gente. 
Você não sente vontade de partir!

"Katmandu, I'll soon be touchin' you
And your strange bewilderin' time
Will hold me down
Pass me my hat and coat
Lock up the cabin
Slow night treat me right
Until' I go
Be nice to know
Katmandu, I'll soon be seein' you
And your strange bewilderin' time
Will keep me home" - Cat Stevens




Impactante, não existe outra palavra! Sempre comento com meus amigos que a Índia transforma a gente, mas o Nepal... o Nepal impacta! Coloca à prova todos os seus sentidos. 
Você não entende uma palavra, mas compreende tudo. Um povo que fala com os olhos e que te vê. Te vê como você realmente é. 
Templos, templos e templos... Como sair indiferente ao Monkey Templo? Ou como não se maravilhar com a história da Deusa Viva Kumari?
Posso escrever páginas e páginas e nunca conseguirei exprimir o que é o Nepal, viajamos três meses antes dos terremotos, estivemos em todos os locais destruídos, sofremos juntos com cada notícia veiculada sobre o acidente e sentimos uma vontade maior ainda de retornar.
Sabe por quê? 
Porque o melhor do Nepal, não são as suas maravilhas tombadas pela UNESCO, nem o Himalaia cravado no meio do país. A grande maravilha do Nepal se chama Povo Nepalês, que com seu sorriso verdadeiro presenteia quem passa por ali... E essa viajante inveterada alimenta diariamente o saudosismo e a vontade de retornar... :)